sexta-feira, 30 de março de 2012

Os planos da Amazon para o Brasil

Por que o bilionário setor de livros nacional está em polvorosa com a chegada da maior empresa de comércio eletrônico do mundo e seu leitor digital Kindle ao país.

 

Jeff Bezos, CEO da Amazon: «Quero ir à lua. E ao Brasil.»

  

Saiba mais em: http://www.istoedinheiro.com.br/noticias/80020_OS+PLANOS+DA+AMAZON+PARA+O+BRASIL

terça-feira, 27 de março de 2012

o lugar do escritor revelado por Eder Chiodetto

 Ariano Suassuna

 Adélia Prado

 Manoel de Barros

 Ferreira Gullar

Jorge Amado


Eder Chiodetto, fotógrafo, autor do livro O Lugar do Escritor, no qual publica as fotografias tiradas nos locais de trabalho de 36 importantes escritores brasileiros, revelando assim a intimidade onde são criados os seus imaginários.

domingo, 25 de março de 2012

Antonio Tabucchi (Vecchiano, província de Pisa, 24 de setembro de 1943 – Lisboa, 25 de março de 2012)

«Minha doce Ofélia

O momento em que percebemos que a ilusão sucessiva dos dias, ou a sua música, chegou ao fim acaba sempre por chegar. Se era ilusão, é como quando, ao romper do dia, os contornos do real, de esbatidos que eram, são investidos pela luz que cresce e tornam-se nítidos, cortantes como lâminas, e sem remissão. Se era música, é como as notas de uma orquestra, depois do allegro, do scherzoso, do adagio e do allegro maestoso se tornassem solenes e se extinguissem lentamente: as luzes baixam, o concerto acabou.»







Está-se a fazer cada vez mais tarde, Antonio
Tabucchi, Dom Quixote, 2001. (p. 151)


quinta-feira, 15 de março de 2012

«Paradero para libros» (Colômbia)


Ver mais em: http://www.bilinguallibrarian.com/2010/02/21/paradero-para-libros-para-parques/



FUNDALECTURA (Fundación para el Fomento de la Lectura): «Somos un equipo transdisciplinario que diseña, construye y desarrolla programas y proyectos para fomentar la lectura y la escritura en el país, con todo tipo de poblaciones, con especial énfasis en la infancia y la juventud, a partir de la experiencia y el conocimiento acumulados, la mejora continua de los procesos, el permanente diálogo interno y el uso óptimo de los recursos. De la misma manera intercambiamos experiencias, hallazgos e investigaciones sobre lectura y escritura en ámbitos internacionales.
Para ello nos asociamos y articulamos con otras entidades públicas y privadas, nacionales e internacionales, con las que coincidimos en campos del desarrollo humano como la educación, la cultura, la recreación, los derechos de la familia y la niñez, la salud, la formación ciudadana y el trabajo.» (http://www.fundalectura.org/sccs/sobreus.php?id=5)

marcador inteligente

Albatros bookmarks from Oscar Lhermitte on Vimeo.


Ver mais em http://bit.ly/wwdhgg

quarta-feira, 14 de março de 2012

Comunidade de clubes de leitores | iOnline

Plataforma quer dinamizar a leitura com comunidade de clubes de leitores | iOnline

"Atualmente, o Clube da Leitura tem cerca de 600 membros, mas o objetivo é ter pelo menos cinco mil, contando com o Brasil, onde o projeto está a ser divulgado, e com o mercado anglo-saxónico, onde existe mais tradição do clube do leitor."

terça-feira, 13 de março de 2012

a coleção de Pablo Neruda...


© Foto de Mario Carreño. O poeta Pablo Neruda a recolher conchas. Varadero, Cuba, 1942.

Esta raríssima fotografia, feita por Mario Carreño, em 1942, mostra o poeta chileno Pablo Neruda (1904-1973) numa praia de Cuba. Neruda colecionou 9000 conchas que ele mesmo recolheu em diversas partes do mundo. Algumas de suas conchas foram presenteadas pelo líder chinês Mao Tsé-Tung e pelo poeta espanhol Rafael Alberti. Em 1954, Pablo Neruda doou toda a coleção à Universidad de Chile.
Em 1971, dois anos anos antes de sua morte, o poeta recebeu o Prémio Nobel de Literatura.

Através do blogue http://www.imagesvisions.blogspot.com/

domingo, 11 de março de 2012

bibliotecas: novas ideias


Cabines Telefônicas de Nova York estão sendo Recicladas e se transformando em Bibliotecas


Com a tecnologia da telefonia movél as cabine telefônicas estão se tornando obsoletas, isso significa grande geração de lixo, mas a cidade de Nova York está dando um fim bem mais digno a essas cabines, elas estão sendo recicladas e se transforndo em bibliotecas. O maior incentivo para a instalação essas bibliotecas é gerar mais interesse entre as pessoas da cidade em ler.

Livros usados nas bibliotecas são doados ou alguns deles são da coleção pessoal do idealizador. Este sistema é para promover atividades comunitárias relativas à leitura e à partilha de livros. Seu futuro ainda está por ser determinada e esperamos ver uma instalação bem-sucedida de tais bibliotecas em toda a Nova York .


No Brasil temos a Bicicloteca

A «Bicicloteca» é uma biblioteca itinerante, um movimento independente existente em diversas comunidades brasileiras e em outros países, geralmente para pessoas sem acesso a biblioteca ou comunidades distantes dos centros, as quais utilizam a bicicleta como veículo para o transporte de livros. A Bicicloteca do Instituto Mobilidade Verde foi desenvolvida para atender moradores de rua através do Movimento Estadual da População em Situação de Rua. Trata-se de um triciclo com capacidade para 150 kg de livros que facilita o trânsito na cidade e o acesso de pessoas a cultura , o objetivo é facilitar o trabalho das comunidades que já atuam com cultura e inclusão social através da leitura.

Fonte: Ambientalistas em rede – no Facebook

um recanto simpático...

Pensamentos Imperfeitos | D. João VI e o Brasil



Publicado originalmente por Rubem Fonseca em 16/07/2008.
________________________________________________

D. JOÃO VI E O BRASIL


1– ABERTURA.
Mapa da Europa. Câmera faz uma panorâmica que mostra os mapas de Portugal, Espanha, França e Inglaterra. Depois se fixa em Portugal.

Corte.


2 – LISBOA.
Mapa antigo da cidade. Várias pinturas e gravuras de Lisboa (por exemplo, "Rocio", do gravador Zuzarte). Finalmente a câmera se fixa sobre gravura do castelo de Mafra. A gravura funde-se com uma tomada do próprio castelo. A câmera faz uma lenta incursão em torno do castelo. Câmera se aproxima do portão principal.


3 – INTERIOR DO CASTELO DE MAFRA.
Steadycam caminha pelos corredores do castelo até chegar à uma porta onde está postado um homem de idade madura, cabelos grisalhos, vestido com uma libré da epóca. Ele vai narrar a história

Narrador:

"Meu nome é José Joaquim, sou criado de Sua Alteza há vários anos. Antes, servi a sua excelência a rainha D. Maria I, que me pediu, após a morte de D. José que cuidasse do seu outro filho, D. João."

(Gravuras de D. Maria I, D. José e D. João, ainda novos, todas com legendas)

José Joaquim:

"Fiquei muito triste quando D. Maria enlouqueceu. Ela era muito boa para os criados, todos gostavam dela, até a princesa Carlota Joaquina gostava dela."

(Gravuras de Carlota Joaquina)

José Joaquim:

"Sim, admito que a princesa é uma mulher que não prima pela beleza, é também muito geniosa, e me parece que nunca deixou, em seu coração e em sua alma, de ser uma espanhola. Mas a princesa tem sofrido, injustamente, insultos e calúnias, chamam-na de a Bruxa de Córdoba, criticam-na porque gosta de andar a cavalo e de praticar a dança andaluza, todo e qualquer pretexto é usado para vilipendiá-la. Alguém inventou, e os tolos acreditam, que no dia do casamento com D. João ela o teria mordido na orelha com violência. Eu assisti toda a cerimônia, no ano de 1785, e nada disso aconteceu."

(Gravuras, do casamento de D. João com a princesa Carlota Joaquina, gravuras do casal etc.)

José Joaquim:

"Com a interdição da rainha Dona Maria I, e a morte de D. José, herdeiro do trono, D. João passou a ser o príncipe Regente de Portugal."

(Gravura de D. Maria, a Louca. Gravura de D. José)


(Aparece na tela a data: 1807)


José Joaquim (ainda na porta da sala de reunião do castelo de Mafra):

"Neste momento, no interior desta sala, Sua Alteza o Príncipe Regente D. João, despacha com d. Rodrigo de Souza Coutinho e com d.Antonio Araújo de Azevedo, que conduzem negociações diplomáticas com a França e a Inglaterra."

(José Joaquim abre os braços demonstrando certo desconsolo)

"Portugal, infelizmente, deixou de ser uma das duas nações mais poderosas da Europa – a outra era a Espanha, que também teve a mesma má sorte. França e Inglaterra ocuparam nossos lugares e lutam para ver qual das duas pode assumir uma posição hegemônica no continente. A Inglaterra domina os mares, desde que destroçou a marinha de guerra francesa na batalha de Trafalgar. Mas o exército de Napoleão controla o território europeu. Napoleão invadiu a Suíça, a Itália, a Alemanha, a Polônia, destronando monarquias e criando reinos para os quais nomeia para administrá-los parentes e apaniguados."

(Câmera faz uma panorâmica sobre gravura de Debret com imagem de Napoleão à cavalo discursando para a tropa após a vitória sobre a Áustria.)


4 – INTERIOR DA SALA DE REUNIÃO EM MAFRA.
Vemos em volta de uma mesa D. João e os dois diplomatas, d. Rodrigo e d. Antonio.

(Atores devem representar D. João, d. Rodrigo e d. Antonio, todos vestidos de acordo com a época)

D. João:

"Sei que enfrentamos uma situação extremamente difícil. A nossa adesão é considerada vital para ingleses e para franceses. Os ingleses necessitam preservar a relação com as nossas colônias e os franceses precisam de nós para estrangular a economia inglesa. Pelo que ouvi dos vossos relatos, creio que foram esgotados todos os recursos para mantermos uma neutralidade que nos seja favorável. Tanto a Inglaterra quanto a França fazem exigências que não podem ser atendidas com a urgência por eles pretendida."

D. Antonio:

"Realmente, a nossa situação é muito ingrata. O tratado de Santo Ildefonso entre a França e a Espanha ainda agravou mais nossos problemas. O governo francês quer impor o fechamento dos portos lusitanos aos navios ingleses, aqui e além mar. E ainda que os bens dos súditos ingleses em território português sejam seqüestrados, do contrário seremos invadidos por tropas franco-espanholas."

D. João:

"Seqüestrar os bens dos ingleses em nossa terra? Eu não podia permitir tal coisa."

D. Antonio:

"As tropas de Junot já invadiram Portugal."

D. João:

"Hoje à tarde tenho uma reunião com o Conselho e vou falar da minha decisão de trasladar o governo e a família real para o Brasil. O Brasil será a sede do reino português."

D. Rodrigo:

"Alteza, a posteridade o verá como o estadista de visão que decidiu criar um poderoso império na América do Sul, estável e duradouro, preservando assim a nação portuguesa e o trono dos Bragança. Será uma atitude de grande sabedoria e nobreza."

D. João:

"A idéia pode sugerir uma conotação de fuga e abandono?"

D. Rodrigo:

"De maneira alguma. Mas sabemos que os invejosos sempre assacam difamações e calúnias contra os poderosos. Todavia, cedo ou tarde, não importa quanto tempo transcorra, vão compreender que sua decisão demonstrou uma visão política extraordinária e a posteridade lhe fará justiça."


5 – Gravuras da família real no cais de Belém embarcando para o brasil, com legenda explicativa. Gravuras das tropas de Junot invadindo Portugal, com legenda explicativa. Gravura da Bahia, como a de Pierre a. Vander, com legenda.

José Joaquim:

"Eu acompanhei sua Alteza em sua viagem ao Brasil. Depois de quase dois meses no mar, em 22 de janeiro de 1808 D. João chegou finalmente às terras do novo império que pretendia criar. Por coincidência, Salvador, na baía de Todos os Santos, uma das primeiras cidades que nós, portugueses, havíamos fundado no novo mundo."

(Se possível uma tomada "live" da baía de Todos os Santos sendo contemplada pelo narrador José Joaquim. Caso necessário, usar recursos de computação)

José Joaquim (contemplando a baía de Todos os Santos):

"Não muito distante daqui, em Porto Seguro, no ano de 1500, aportaram as naus de Pedro Álvares Cabral, o navegador português que descobriu as terras do Brasil.

(Gravura de Cabral e de suas naus, com legendas)

José Joaquim:

"Da Bahia fomos para o Rio de Janeiro, onde D. João estabeleceu a sede da Monarquia."

(Gravuras do Rio na época. Tomada de José Joaquim contemplando a baía de Guanabara, tendo ao fundo o Pão de Açúcar. Trucagem de computador, se necessário)

José Joaquim:

"Sua Alteza desde logo revogou o regime de colônia em que o país vivia. Foram abolidas, uma atrás da outra, as velhas engrenagens da administração colonial, e substituídas por outras já de uma nação soberana. Caíram as restrições econômicas e passaram para o primeiro plano das cogitações políticas do governo os interesses do país. Foram esses os efeitos diretos e imediatos da chegada da Corte ao Brasil. Isso tudo graças à visão de Sua Alteza o príncipe Regente."


6 – PAÇO REAL, LARGO DO CARMO, RIO DE JANEIRO.
(Verificar pinturas ou gravuras disponíveis)

José Joaquim (numa porta fechada):

"D. João está reunido com o Ministério que acabou de formar. Dizem que é composto por homens ainda mais competentes e obos do que os do Ministério que tinha em Lisboa."


7 – PAÇO DA CIDADE.
(Câmera percorrer as gravuras do Paço da Cidade. (Gravura da FBN – Fundação Biblioteca Nacional, e outras que disponíveis)

D. João está reunido com o Ministério, que acaba de organizar, em torno de uma mesa larga. Entre os novos ministros, vemos d. Rodrigo de Souza Coutinho e d. Antonio Araújo de Azevedo.

D. João:

"Todos os senhores sabem que pretendo fundar no Brasil um novo Império. Para isso precisamos organizar um governo de homens competentes e dedicados. Conto com todos os senhores. É preciso que se organizem tribunais, sem ordem um país não pode crescer e tornar-se forte. Assim, estou determinando que se organizem o Desembargo do Paço, que será a instância legal superior, e a Intendência-Geral de Polícia da Corte e do Estado do Brasil, cujas instruções deverão ser obedecidas por todas as autoridades do país. Um Conselho da Fazenda passará a administrar as atividades da Fazenda, da Alfândega, da Intendência da Marinha e dos Armazéns Gerais. Estou criando ainda o Banco do Brasil, para tornar mais expedito o atendimento dos interesses do comércio. E será constituída, por decreto que assinarei nesse momento, a Junta do Comércio, Agricultura, Fábricas e Navegação do Brasil. Será também estabelecida a Impressão Régia, para a publicação de todas as obras produzidas neste país. Para tanto já temos os prelos. (D. João vira-se para d. Rodrigo, que está à sua esquerda) Cabe a Vossa Senhoria elaborar as instruções para que a Impressão Régia funcione adequadamente. (Pausa) Senhores, aqui, esta cidade, neste pais, passa a ser a sede da Metrópole.


8 – SALA DO PALÁCIO.
Joaquim José tem na mão um jornal. Insert da capa do jornal onde se lê o seu título Gazeta do Rio de Janeiro, Sábado 10 de setembro de 1808. Mais abaixo, escrito em latim: Doctrina sed vim promovert isitam, Retiques cultus, pectora roborant – Horatio.

(A produção não terá dificuldade de fazer uma cópia dessa página da Gazeta. Existe original na FBN, no Rio.)

José Joaquim:

"A Gazeta, como podem ver, tem quatro páginas e o formato dos jornais estrangeiros. É publicada duas vezes por semana. Além da Gazeta, a Impressão Régia produziu brochuras, folhetos, opúsculos, sermões, obras científicas, obras literárias, traduções de textos ingleses e franceses versando sobre agricultura, comércio, ciências naturais, matemática, história, economia política, filosofia, peças teatrais, óperas, poesia, romances, literatura infantil. Em pouco tempo, a Impressão Régia publicou muitas centenas de títulos."


9 – SALA DE REUNIÃO DO PALÁCIO.
D. João está só, em sua mesa, uma pilha de papéis à sua frente. Ele lê cada documento, uns ele assina, outros põe de lado, como se para um exame posterior.

(Essa imagem surge em meio a uma panorâmica feita pela câmera sobre um conjunto de documentos sobre a mesa).

No momento em que D. João está examinando os papéis, José Joaquim entra na sala.

José Joaquim:

"Sua Excelência o senhor Ministro d. Rodrigo de Souza Coutinho pede que Vossa Alteza o receba."

D. João:

"Mande-o entrar."

D. Rodrigo entra. D. João faz um gesto para que ele sente ao seu lado.

D. Rodrigo:

"Vim comunicar que, conforme as determinações de Vossa Alteza foi terminada hoje a construção da Fábrica de Pólvora e foram instaladas as academias da Marinha e do Exército, assim como o hospital militar."

D. João:

"E as escolas de ensino superior, especialmente a de Medicina?"

D. Rodrigo:

"As respectivas construções caminham rapidamente. Não demorará muito para que Vossa Alteza possa inaugurá-las."

D. João:

"Alegro-me com as informações que acaba de me dar. Não podemos esmorecer em nosso esforço para dotar o Brasil de todos os recursos imprescindíveis ao seu crescimento e à sua pujança. (Pausa) E o Jardim da Aclimação?"

D. Rodrigo:

"O jardim está muito lindo. Diariamente dezenas de árvores são ali plantadas. Gostaríamos que Vossa Alteza plantasse uma árvore, uma palma, árvore centenária, como exemplo e memento."

D. João:

"Terei o maior prazer. Marque o dia e me avise com antecedência."


10 – JARDIM DA ACLIMAÇÃO.
(Produção poderá usar o Jardim Botânico do Rio de Janeiro, usando os necessários recursos de computação)

Steadycam faz uma incursão pelo atual Jardim Botânico do Rio de Janeiro, evitando tudo que for "datável" como moderno. Afinal, fixa-se sobre a figura de D. João plantando uma palmeira real.

D. João:

"A finalidade deste jardim é aclimatar as plantas oriundas de várias partes do mundo. E além das árvores de grande porte para durarem séculos, como esta palmeira imperial que estou plantando, não deixaremos de ter também orquídeas, vitórias-régias, bromélias, flamboyants e muitas outras plantas."

Steadycam volta a fazer uma panorâmica do Jardim Botânico.


11 – JARDIM BOTÂNICO.
Joaquim José passeia por uma das alamedas do Jardim Botânico.

Joaquim José:

"Desde que o sirvo, nunca vi Sua Alteza tão feliz como aqui no Brasil. (Pausa) É bem verdade que a sua relação com a princesa tem piorado constantemente. Como sempre acontece nos casamentos entre membros de casas reais de países que querem fortalecer suas relações ou resolver os seus conflitos, os nubentes raramente, ou nunca, se amam. Sua Alteza D. João casou-se com D. Carlota quando ainda eram infantes, eles nem se conheciam, eram razões de Estado, para dissipar problemas existentes entre Portugal e Espanha. D. Carlota nunca amou D. João. Nem nunca amou Portugal. E o Brasil ela odeia. Presenciei muitas vezes os acessos de ódio que a dominam, suas acaloradas discussões com Sua Alteza Real. Ela quer voltar para a Espanha, mas sabe que isso é impossível, o que a deixa ainda mais irritada.


12 – A BIBLIOTECA NACIONAL.
Vemos José Joaquim no meio das estantes de ferro da Biblioteca Nacional compulsando livros.

(Podem ser usadas as atuais instalações da Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro, em tomadas fechadas)

José Joaquim:

"Estamos em 1810. Junto com aparelhos científicos e uma grande coleção de moedas e medalhas chegou ao país a primeira leva da Livraria Real e da Livraria do Infantado. São livros, manuscritos, códices, incunábulos, estampas, desenhos originais, mapas que enriqueceram sobremaneira a Real Biblioteca. D. João pretende ampliar constantemente o seu acervo, não somente através de compras e doações, mas, principalmente, pela entrega obrigatória de um exemplar de todo material impresso nas oficinas tipográficas de Portugal e na Impressão Régia, instalada no Rio de Janeiro. (Pausa) Estamos em 1814. As tropas francesas já se retiraram de Portugal, a nação foi restaurada, mas sua Alteza não demonstra o propósito de voltar. Está feliz aqui no Brasil, diz que está realizando uma grande obra. Recentemente inaugurou o Museu Nacional, a Escola Real de Ciência, Artes e Ofícios, criou fabricas, tomou medidas que deram grande impulso à cultura."


13 – SÃO MOSTRADAS AS VÁRIAS PINTURAS DE DEBRET, ESCULTURAS DE TAUNAY, PRÉDIOS DE GRANDJEAN DE MONTIGNY (por exemplo, a hoje Casa França-Brasil). OUVE-SE A MÚSICA DE ORGÃO DE SIGISMUND NEUKOMM (existem gravações modernas desse autor).

José Joaquim:

"Estamos em 1816. No ano que passou Napoleão foi derrotado em Waterloo. Neste mês de março chegaram ao Brasil, convidados por D. João e contratados por seis anos, os eminentes artistas Joachim Lebreton, Nicolay Antoine Taunay e Jean-Baptiste Debret, pintores, o escultor Auguste Marie Taunay, o arquiteto Augusto Henrique Vitorio Grandjean de Montigny e o musico e compositor Sigismund Neukomm.

Além das paisagens do novo país, Debret procurou retratar a diversidade da sociedade brasileira em formação, negros e brancos, com suas variadas roupagens, índios, com suas vestes e instrumentos de caça."

(Enquanto se ouve a fala de José Joaquim, devem ser mostradas imagens que Debret retratou)


14 – ACLAMAÇÃO DE D. JOÃO VI.

José Joaquim:

"Após a queda de Napoleão, o Príncipe Regente D. João elevou o Brasil à reino – Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarve. Com a morte de Dona Maria, em 1816 iniciou-se o reinado de D. João VI. Sua aclamação foi um cerimônia notável."

(Vemos as gravuras disponíveis da aclamação de D. João)

José Joaquim:

"Mas não tardou para que as cortes de Lisboa exigissem a volta de D. João a Portugal."


15 – REGRESSO DA FAMÍLIA REAL.
(Ver gravuras existentes)

José Joaquim:

"Hoje é o dia 26 de abril de 1821. D. João VI está voltando para Portugal, com um séquito de quatro mil pessoas, entre as quais me incluo. Sua Majestade pretende logo que chegar a Portugal extinguir o Tribunal do Santo Ofício em todo o Império Português, abolir a censura, regulamentar o exercício da liberdade de imprensa e impor ao Rei e a seus oficiais a obrigação do Juramento da Constituição a ser elaborado em Lisboa. Seu filho D. Pedro assume a regência do Reino do Brasil."


(Gravura de D. Pedro)

José Joaquim:

"Eu sentirei, e sei que Sua Majestade também, muitas saudades deste belo país. O Brasil se beneficiou enormemente com as grandes realizações de D. João VI. Entre elas não devemos esquecer que graças a D. João VI foi mantida a integridade territorial do país, impedindo que ele fosse fragmentado, como ocorreu com a América Espanhola, tornando o Brasil um dos maiores países do universo. Um só território, um povo falando a mesma língua."


16 – MAPA DO BRASIL DENTRO DA AMÉRICA DO SUL MOSTRANDO AS SUAS DIMENSÕE EM RELAÇÃO AOS VIZNHOS. IMAGENS DE FLORESTAS, RIOS, PRAIAS. IMAGEM DE D. JOÃO VI. IMAGEM DE D. PEDRO PROCLAMANDO A INDEPENDÊNCIA DO BRASIL.

José Joaquim:

"No dia 7 de setembro de 1822, pouco mais de um ano depois que o seu pai, D. João VI voltou para Portugal, D. Pedro, o príncipe regente, proclamou a independência do Brasil, tornando-se D. Pedro I, Imperador do Brasil."

(A imagem de D. Pedro I, numa fusão, é substituída pela imagem de D. João VI.)

(Ouve-se o arranjo moderno do Hino do Brasil, "Grande Fantasia Triunfal sobre o Hino Nacional Brasileiro", de Louis Moreau Gottschalk.)



Através de http://www.portalliteral.com.br em 16/09/2008

livraria dos meus sonhos

edição (em tempos idos...) - jornal O Estado de S. Paulo

imagem da redação do jornal - antes da era dos computadores!


diagrama de página do jornal O Estado de S. Paulo


a famosa "lauda": 20 linhas e 1400 caracteres totais


Através de Eleno Mendonça, no Facebook.

Clube da Leitura

O primeiro site social português sobre livros e criação de comunidades de leitores. Um espaço onde pode discutir os seus livros favoritos, participar em clubes de leitura na sua cidade e criar o seu grupo de leitura.

link: http://www.clubedaleitura.pt/


Anúncios de livros em 1944



























Instantâneos da vida literária no Brasil há sete décadas: "para o leitor moderno", Dickens condensado! Os russos estavam em alta naqueles dias pois lutavam contra o nazismo. Biografias iam muito bem. Romances atravessavam má fase, mas alguns autores da geração de 30, como Jorge Amado, principalmente, ainda vendiam bastante. Nelson Rodrigues aparece como ele mesmo e como Suzana Flagg (seu pseudónimo: http://www.scribd.com/doc/2894789/Suzana-Flag-pseudonimo-de-Nelson-Rodrigues).


Através do blogue http://livrosetc.blogfolha.uol.com.br de Josélia Aguiar

sexta-feira, 9 de março de 2012

London Olympic Games 2012


aMAZEme (LONDON OLYMPIC GAMES 2012)

Walls of up to 4 meters high will be built from 250.000 books to create a Maze of more than 500 square meters.

The construction of the labyrinth and the public's participation will be filmed by 10 video cameras and sent to the “aMAZEme" website, as well as YouTube and various social networks where the user will be able to access its content.

The public will be able to navigate through this hypnotic and surprising “book labyrinth”. Small screens will be installed throughout the labyrinth with various art images and literary quotes. Cameras will film the labyrinth from high above, from the time it's built until the end of the exhibit. We will also have daily performances by some of the authors of Parnassus Project, Athletes, names in literature, theater , television… They will read texts by various authors (sometimes in their original language and with subtitles) inside the labyrinth, creating an intimacy with the artist and adding life to the project via the oral tradition, which gave birth to books and literature.

Created by Marcos Saboya and Gualter Pupo, the aMAZEme “LIVRE” project consists of a series of ideas that mix concepts, languages, techniques and multimedia to create a link between spaces with different identities and audiences.

segunda-feira, 5 de março de 2012

un texto no es un libro

Ante el avance de los ebooks, el libro resiste por su esencia como objeto.


Link para o artigo: http://www.revistaenie.clarin.com/literatura/ebooks-libro-unidad-existencial_0_652734739.html

physical books x digital books??


1. Physical books never run low on batteries.
2. Much more efficiently than with digital books, you can put your finger in your spot in a physical book, flip back and forth in it as needed, and then go right back to your spot.
3. You can put physical books in multiple places (desk, bedside, bathroom) to remind you to read more often. You lack that visual cue to read the digital books that are hidden in the hard drive of your iPad.
4. It’s faster to reference a book when all you have to do is pull it off the shelf and open it up.
5. Printed books ignite all your senses. I like the smell of a new book, and the texture of the pages’ edges under my thumb. I get more pleasure from a glance at the design of the cover before I open the book, compared to the immediate transport to where I left off in my Kindle app. And the thud of closing a book, after you’ve finished, it has a triumphant ring to it – one that the puny speaker of a mobile device can never reproduce.
6. Physical books are easier to loan, borrow, and give (especially in bulk).
7. Because the pagination changes based on your text size, it’s difficult to follow and contribute to a group discussion about a book if you are one of the few who read it in iBooks.
8. The ability to write in the margins provides much more freedom to develop your own note taking style.
9. It’s easier to keep track of your progress while reading a physical book.
10. The context of a digital book, since it consists of apps, makes a high level of focus difficult to achieve. It sucks away the attention you can give to what you are reading, even if you have the discipline not to check sports scores or email, because the other stuff on your device is in the back of your mind.
Fonte: http://pastoralized.com/2012/02/10/10-reasons-why-physical-books-are-still-better-than-digital-books/

sábado, 3 de março de 2012

o imbróglio do Acordo Ortográfico...

"Um dos elementos da comissão que negociou o Acordo Ortográfico, o brasileiro Godofredo Neto, reagiu com “estranheza” às palavras de Francisco José Viegas, na TVI24. O secretário de Estado da Cultura admitiu “efetuar ajustamentos” ao Acordo, o que aquele linguista não compreende que se reveja um processo que já concluiu todos os “trâmites jurídicos e políticos”, apesar de estar em curso um período de transição."

Continuar a ler em http://www.ptjornal.com/201203015793/sociedade/acordo-ortografico-palavras-de-viegas-suscitam-estranheza-no-brasil.html

Mais em:
http://estadosentido.blogs.sapo.pt/1923610.html

em: http://hojemacau.com.mo/?p=28716&utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=angola-fecha-portas-ao-acordo-ortografico

também em: http://www.ionline.pt/portugal/professor-direito-afirma-acordo-ortografico-inconstitucional

Ou seja: uma discussão sem fim à vista...


sexta-feira, 2 de março de 2012

10 conselhos de Carlos Drummond de Andrade a um escritor iniciante

Trechos da crônica A um jovem, publicada em A bolsa e a vida (1962):


1. Não acredite em originalidade, é claro. Mas não vá acreditar tampouco na banalidade, que é a originalidade de todo mundo.

2. Não fique baboso se lhe disserem que seu novo livro é melhor que o anterior. Quer dizer que o anterior não era bom. Mas se disserem que seu livro é pior que o anterior, pode ser que falem verdade.

3. Procure fazer com que seu talento não melindre o de seus companheiros. Todos têm direito à presunção de genialidade exclusiva.

4. Aplique-se a não sofrer com o êxito de seu companheiro, admitindo embora que ele sofra com o de você. Por egoísmo, poupe-se qualquer espécie de sofrimento.

5. Sua vaidade assume formas tão sutis que chega a confundir-se com modéstia. Faça um teste: proceda conscientemente como vaidoso, e verá como se sente à vontade.

6. Opinião duradoura é a que se mantém válida por três meses. Não exija maior coerência dos outros nem se sinta obrigado intelectualmente a tanto.

7. Procure não mentir, a não ser nos casos indicados pela polidez ou pela misericórdia. É arte que exige grande refinamento, e você será apanhado daqui a dez anos, se ficar famoso; se não ficar, não terá valido a pena.

8. Se sentir propensão para o gang literário, instale-se no seio de uma geração e ataque. Não há polícia para esse gênero de atividade. O castigo são os companheiros e depois o tédio.

9. Evite disputar prêmios literários. O pior que pode acontecer é você ganhá-los, conferidos por juízes que o seu senso crítico jamais premiaria.

10. Leia muito e esqueça o mais que puder. Só escreva quando de todo não puder deixar de fazê-lo. E sempre se pode deixar.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails